Velvet Buzzsaw

Gente como esta tem inspirado algum gulag.

Depois de tomar os média como alvo no estupendo Nightcrawler, e logo desviar a mira cara o sistema judicial de modo irregular em Roman J. Israel, Esq.; Dan Gilroy ataca agora o campo artístico em Velvet Buzzsaw.
Este thriller com elementos de comédia e terror, narra como Josephina (Zawe Ashton), depois dum desengano amoroso e marginalizada no seu emprego numa galeria de arte, topa acidentalmente com a obra pictórica desconhecida dum vizinho recentemente falecido. Os quadros exercem um efeito hipnótico de modo imediato, assim que decide salva-los da lixeira e promover este misterioso artista com a ajuda do seu novo amante, o crítico Morf Vandewalt (Jake Gyllenhaal), e da sua chefa na galeria, a ex-cantante punk Rhodora Haze (Rene Russo). Quando parece que a sua vida começa a equilibrar-se, todos aqueles que tiram lucro das pinturas acabam por ter uma morte violenta.

Ela acha ter encontrado um filão… mas não.

A crítica acolheu Velvet Buzzsaw com divisão de opiniões. Entre outros aspectos negativos, poderia destacar-se certa indefinição do antagonista, que se verifica nas cenas de assassínio. Se parece mais ou menos claro que este é o pintor falecido, a sua ameaça materializa-se de forma arbitrária; por vezes, como a intervenção de forças sobre-naturais num espaço onírico ou ilusório do estilo sugerido em Young Sherlock Holmes; outra parece fruto dum acaso letal na linha da morte na saga Final Destination. Outro problema é que a sua natureza de sátira, mal permite simpatizar com uns personagens que vivem da charlatanaria e do snobismo.

Sim, as pinturas mexem-se.

Contudo, a ideia que conduz o enredo está mais ou menos clara e conforme avança a ideia, até encontramos momentos de grande comicidade, como a cena da esfera quando morre o personagem interpretado por Toni Collette. E cumpre destacar também um elenco solvente numa obra que não é memorável mas, no mínimo, consegue certo entretenimento.

  • A favor: O elenco. E resulta entretida.
  • Em contra: Não é especialmente brilhante. De modo particular, as suas partes de terror.
This entry was posted in Crítica and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*