Ready or not

Este fim de semana chega às salas o filme Ready or not, realizado por Tyler Gillett e Matt Bettinelli-Olpin, escrito por Guy Busick e Ryan Murphy, e protagonizado pela charmosa actriz australiana Samara Weaving. Depois de assistir no passado Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha, devemos incluir este thriller de humor negro na categoria das recomendações.

Não é que Ready or not tenha nada de especial, mas é um plano divertido, capaz de provocar alguma gargalhada; o que sempre é de agradecer. No enredo, seguimos a simpática jovem Grace, prometida com Alex Le Domas (Mark O’Brien), membro duma poderosa família burguesa e aristocrática da que, não obstante, leva tempo afastado. O seu compromisso é a ocasião para reunir Alex com o seu clã que, em termos gerais, monstra-se hospitalário com a noiva, especialmente a matriarca Becky (Andie MacDowell). Há um pequeno trâmite a resolver antes de Grace ser admitida na família Le Domas: a noite de núpcias deve participar num jogo determinado pela escolha dum naipe ao acaso. Esta tradição apenas presenta um problema: se o naipe escolhido é o do jogo das escondidas, os membros da família Le Domas deverão assassinar Grace quando a encontrarem, a risco da família desaparecer no caso de não consegui-lo. Nem faz falta dizer que esse acaba por ser o destino da protagonista, que se dispõe a jogar às escondidas ignorando o trágico final que aguarda por ela se for descoberta.

Alex intenta inicialmente ajudar a sua mulher, mas o seu personagem tem a função na história de lembrar a impossível solidariedade de classe. Se Grace conseguir salvar-se, a família Le Domas desaparecerá, e portanto, a protagonista não poderá encontrar aliados entre a classe dominante; o que dota Ready or not duma orientação subversiva adorável.

Grace acaba por ser uma gaja durona, e o público desfruta a assistir como apesar da sua aparência inofensiva, a heroína consegue acabar um a um com os membros dessa casta egoísta e indiferente aos seus subalternos.

Vão pedindo as pipocas.

This entry was posted in Crítica and tagged , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*